Já foram redistribuídos os pelouros pelo executivo (actualização)

Já estão distribuídos os pelouros pelos elementos do executivo de Alpiarça, com a entrada de Casimira Alves para ocupar o lugar de vereação que ficou vago com a saída de Carlos Jorge Pereira.

Mário Pereira, presidente da autarquia assume os pelouros da Coordenação Geral, Planeamento, Urbanismo e Obras, Proteção Civil, Educação, Informação e Relações Públicas, Turismo, Bombeiros Municipais de Alpiarça, Fiscalização Municipal, Ambiente, Mercado e Abastecimento Público.

João Pedro Arraiolos assume a Vice-presidência e os pelouros de Saúde e Ação Social, Desporto e Juventude, Serviços Administrativos, Finanças Municipais, Património Municipal, Recursos Humanos, Serviços Urbanos e Limpeza, Parque de Máquinas e Viaturas, Iluminação Pública, Sinalização e Trânsito.

A nova vereadora, Casimira Alves, fica com o pelouro da Cultura, tendo Mário Pereira referido na reunião de Câmara de ontem, 22 de setembro, que o seu pelouro inclui também os eventos e as feiras que se realizam no concelho de Alpiarça. Vai exercer as suas funções a meio tempo.

Recorde-se que Carlos Jorge Pereira renunciou ao cargo no passado mês de agosto, na reta final de um mandato, tendo sido nomeada Casimira Alves, o 5º nome da lista da CDU, para ocupar o lugar.

Uma renúncia que gerou polémica na reunião de câmara de ontem, quando Sónia Sanfona referiu que as declarações do ex-vereador “relatam um exercício de poder preocupante para qualquer democrata.” Disse ainda a vereadora que “um eleito que se mantém no exercício das suas funções durante quase 12 anos, deveria ter justificado à população que o elegeu a sua decisão.” Acrescentou ainda que a informação dada na reunião anterior pelo presidente da autarquia referia que o vereador renunciara ao mandato por motivos pessoais, contudo – continuou – com as declarações que fez agora numa entrevista, “nós não podemos fingir que aquelas justificações não são preocupantes quando se elege alguém na expectativa que aquela pessoa tenha autonomia e possa agir de acordo com a sua consciência, princípios e seja livre de o fazer.” Terminou a sua intervenção dizendo que “preocupa-me que tenha levado 11 anos a tomar esta decisão pelos motivos que referiu, se é que foram esses os motivos. Como pode alguém que serve a população ser um “verbo de encher”; preocupa-me que o presidente da câmara não tenha autonomia para tomar as decisões que entende; preocupa-me que seja conivente com este saciar de liberdade dos outros.”

Mário Pereira respondeu que a decisão da renúncia foi decisão pessoal e só a ele compete justificar e “não vou fazer comentários” – disse. Acrescentou ainda – “penso que a senhora vereadora corrobora de algumas dessas declarações mas eu não vou mudar a sua opinião. O que vou fazer é continuar a convencer os alpiarcenses que estamos a trabalhar de forma leal, de uma forma correta, recuperando a Câmara Municipal, realizando os investimentos, valorizando a nossa população e se, eu e os meus camaradas da mesma força política, continuarmos a trabalhar no mesmo sentido eu penso que estamos em condições de continuar a convencer a população disso.” Relembrou que a população tem dado a confiança em 3 mandatos e ao partido a que estão ligados. “Se isto é sermos marionetas, então somos marionetas da responsabilidade para com aqueles que nos elegeram, um trabalho feito com honestidade e sempre a ouvir os outros” – disse ainda.