Renegociação do Contrato de Concessão passa pela reposição de uma estação dos CTT em cada concelho – diz ministro Pedro Nuno Santos

De acordo com a Lusa, o ministro das Infraestruturas Pedro Nuno Santos afirmou durante a audição parlamentar na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas que “em 33 municípios foram encerradas estações dos correios que vão ter de abrir”.

Questionado pelo grupo parlamentar do CDS-PP nesta última terça-feira, sobre a renegociação do Contrato de Concessão dos CTT que termina em 2020, o ministro referiu ainda que é um “ponto de honra” para o Governo a reposição de todas as estações que fecharam – “Nós não aceitaremos, não permitiremos, uma renegociação do contrato de concessão que não passe pela abertura de uma estação por cada um dos concelhos de território nacional”, disse.

A reiterar a necessidade de fechar a renegociação até final do próximo ano, Pedro Nuno Santos considerou que a privatização foi “mal feita, que não acautelou o interesse nacional e isso não pode significar que o Estado não tenha uma relação firme com a empresa”.

A operação de privatização dos CTT, que rendeu aos cofres do Estado mais de 900 milhões de euros, foi executada em duas operações, uma em 2013 e outra em 2014. A empresa iniciou um plano de restruturação em 2017 que contemplou o despedimento de trabalhadores, o corte de 25% no salário dos presidentes do Conselho de Administração e Executivo e o encerramento de estações dos CTT.

Alpiarça viu a sua estação encerrada em fevereiro de 2018 numa altura em que o município negociava com os CTT a sua manutenção.

Reversão da privatização, renacionalização da empresa, sanções por incumprimento do contrato, todas estas hipóteses já foram apresentadas, discutidas e votadas no hemiciclo pelos vários grupos parlamentares.

O desfecho desta história fica então marcado para 2021.