Ranking da Nersant: Alpiarça contraria crescimento de empresas no distrito

De acordo com a análise mensal à criação de empresas no distrito de Santarém efetuada pela NERSANT, a Associação Empresarial da Região de Santarém, no mês de outubro deste ano surgiram mais empresas no distrito do que no mesmo período de 2018 – 95 contra as 86 criadas em 2018. Em contrapartida, o mês de setembro revelou menos tendência para o crescimento – foram criadas 83 empresas quando no mesmo período do ano passado 106 empresas viram a luz do dia.

Alpiarça não registou nenhuma criação de empresa nestes dois meses, tendo sido mesmo o único concelho dos 21 do distrito a ser a não apresentar novas empresas em setembro. Em 2018, Alpiarça não tinha criado nenhuma empresa em setembro mas em outubro tinha registado a criação de duas empresas.

Na liderança desta tabela de criação de empresas encontra-se Santarém (17 empresas), Ourém e Tomar, cada com 10 novas empresas, em outubro e em setembro a liderança volta a ser do concelho de Santarém (15 empresas), seguido de Benavente (10 empresas) e Ourém e Torres Novas, com a criação de 9 empresas em cada território.

Para os territórios vizinhos de Alpiarça, em outubro, Almeirim surge em 4º lugar no ranking com a constituição de 6 empresas e a Chamusca, a par de Constância e Sardoal, não apresentaram nenhuma nova empresa. No mês de setembro, Almeirim manteve o mesmo 4º lugar com 8 empresas constituídas e a Chamusca criou duas novas empresas.

Relativamente aos setores de atividade do distrito, o mês de outubro dá destaque para a criação de empresas relacionadas com comércio por grosso (11), comércio de veículos automóveis (8), comércio a retalho (8), construção de edifícios (residenciais e não residenciais) (5), restaurantes tipo tradicional (5), atividades dos serviços relacionados com a agricultura (3), cafés (3) e compra e venda de bens imobiliários (3).

Os homens continuam a ser os que mais criam empresas. Em outubro, 73 empreendedores do sexo masculino (77%) foram promotores de novos negócios, enquanto as mulheres criaram 22 empresas (23%).

Já em setembro a preferência vai para o comércio a retalho (8), restaurantes tipo tradicional (6), construção de edifícios (residenciais e não residenciais) (6), comércio por grosso (6), compra e venda de bens imobiliários (4), outras atividades de saúde humana (3), atividades de programação informática (3),  atividades de mediação imobiliária (3) e fabricação de lâmpadas elétricas e de outro equipamento de iluminação (2).

Prevalecem os gestores homens, com 64 empresas criadas (77%), em detrimento das mulheres, que criaram 19 negócios em setembro (23%).