Novo ano letivo arranca em Alpiarça com Plano Inovador

Com o início das atividades escolares a 13 de setembro, as escolas do país preparam-se para cumprir a Portaria n.º 181/2019 que “confere às escolas a possibilidade de apresentarem planos de inovação, com gestão reforçada das matrizes curriculares, para além dos 25% de flexibilidade já prevista para todas as escolas” no diploma da flexibilização curricular publicado em julho do ano passado.

Na prática, o ano escolar vai ser dividido em dois semestre (mantêm-se as férias do Natal, Carnaval e Páscoa) com apenas duas avaliações (em janeiro e Junho), os velhos “testes”, as turmas deixam de ter funcionamento “prático” – embora as turmas existam administrativamente, os alunos podem ser reorganizados para dar lugar a um acompanhamento individualizado – e as escolas terão autonomia para “flexibilizar” os currículos, com já o faziam algumas escolas integradas nos chamados PPIP -Projetos-Pilotos de Inovação Pedagógica.

O Agrupamento de Escolas José Relvas em Alpiarça foi das poucas escolas que apresentou um Plano de Inovação que, segundo declarações da diretora Isabel Silva à revista Sábado “alterará totalmente o paradigma da escola como hoje a conhecemos”.

Além do ano letivo divido em semestre, acabam os “repetentes” nos 2º, 3º, 7º, 8º anos do ensino básico. Mas continuam a existir os chumbos para os que terminam um ciclo (como o 4º, o 6º ou 9º ano).

Surgem novas disciplinas, como a Viver+, destinada aos alunos do 2º ciclo e que integrará a área da Saúde, a Educação Física, agora que a Escola tem o novo ginásio equipado para fitness com o apoio da associação de pais, a câmara municipal e a junta de freguesia; o “Mindfulness” que estimula a concentração; a Tempos e Espaços, disciplina orientada para os estudantes do 7º e 8º ano que articula os conteúdos em comum das disciplinas de História e Geografia e as Ciências Experimentais que engloba as disciplinas de Ciências e Físico-Química e que permite aos alunos fazer trabalho experimental.


No que respeita à Matemática e ao Português também há novidades. Os alunos passam a estar agrupados pelo nível de conhecimento. A “Turma Mais” junta os alunos das várias turmas mas com o mesmo nível de conhecimento: os que tem 5 a matemática, ou 3, etc., permitindo individualizar a aprendizagem.

A disciplina de Português passará a ter quatro professores – um para a gramática, outro para a leitura, outro para a oralidade e outro para a escrita. “O professor fica sempre com o mesmo domínio e os alunos vão rodando. Permite aos que tiverem maior dificuldade num domínio, como gramática, permanecer mais tempo naquele grupo”, explicou Isabel Silva.

Refere ainda a diretora do agrupamento que os testes continuam a existir mas como mais um elemento de avaliação e não o principal. Contam ainda as questões na aula, as fichas de trabalho, as apresentações orais, os trabalhos de pesquisa. O objetivo destas inovações, explica Isabel Silva, é “pôr os alunos a pensar mais”.

O Agrupamento de Escolas José Relvas oferece ainda outras propostas de desenvolvimento educacional, como a prática de Hipismo, Natação ou Boccia, através do Desporto Escolar coordenado pelo professor Nuno Teixeira que afirmou ao mesmo orgão de comunicação social que “melhora o equilíbrio, a coordenação motora, a postura e, principalmente, a autoestima porque aprendem a superar dificuldades”.

Outros projetos inovadores surgem em torno da Biblioteca Escolar coordenada pela professora Lina Duarte que ao receber os diagnósticos de leitura das turmas do 5.º ano, combina idas semanais (10 a 20 minutos) para fazerem “leituras por prazer”, sem obrigações de estudo. “Houve uma turma em que apenas cinco alunos sabiam ler bem e, no fim do ano, eram só cinco os que liam mal.” – refere ainda a coordenadora.

A professora Virgínia Esteves é a coordenadora dos projectos Erasmus+, financiados pela União Europeia, que levaram já os alunos de inglês, espanhol ou do Clube Europeu do Agrupamento José Relvas a outros países europeus como a França ou a Itália. “Eles ficam em famílias anfitriãs, têm de saber que vão ficar fora de casa, com pessoas que não conhecem, durante uma semana inteira e têm de falar inglês ou espanhol”, relatou a professora tendo salientado a importância de se conviver com outros jovens ou crianças da mesma idade mas noutros contextos, como por exemplo, quando os alunos de Alpiarça marcaram presença num campo de refugiados em Itália.

O Agrupamento de Escolas José Relvas, foi uma das escolas (entre escolas de Braga, Vila do Conde, Funchal, Torres Vedras, Odemira, etc.) que esteve em destaque na Sábado nesta edição de 29 de agosto a 4 de setembro como o agrupamento de escolas públicas que “têm tudo” para o sucesso escolar. Na capa, o destaque vai para a aluna Margarida Serrano numa aula de equitação na Reserva do Cavalo do Sorraia.