Máquina de Limpeza do Tejo pode vir a operar na Barragem dos Patudos

Durante a reunião da Assembleia Municipal que se realizou neste sábado, dia 27 de abril, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, o presidente da autarquia, Mário Pereira, referiu que tem estado em negociações com a Agência Portuguesa do Ambiente – APA para resolver a situação da falta de limpeza do fundo da Barragem.

O executivo propôs à APA a utilização na Albufeira dos Patudos do mesmo equipamento de sucção de lamas que serviu para a limpeza do Tejo em Abrantes. O município suportaria os custos do transporte e da operacionalidade da máquina. O vereador Carlos Jorge Pereira referiu ainda que se tem feito trabalho de limpeza das margens e o respetivo tratamento da água para atenuar o efeito de eutrofização. Durante algum tempo foi realizada a injeção de água do subsolo, o que permitia a oxigenação das águas da albufeira mas, depois de uma queixa, não foi mais possível efetuar esta renovação das águas. O vereador referiu ainda que a questão dos peixes mortos “não acontece anualmente” como apontou a bancada socialista, mas “aconteceu no ano passado”.

O deputado do MUDA, Armindo Batata, referiu que esta máquina dá resposta a grandes caudais e é de difícil operacionalidade devido às dimensões que têm. Sugeriu que se utilizasse equipamento mais pequeno que algumas empresas possuem.

Esta preocupação pela situação ambiental da Barragem tem sido referenciada por várias vezes em reuniões de câmara e de assembleia. Preocupação maior se avizinha no quadro dos efeitos das alterações climáticas que prevêem o aumento de períodos de seca na região associados a subidas da média das temperaturas. Ainda na última reunião de câmara o vereador António Moreira apresentou ao executivo umas fotos tiradas no passado dia 12 de abril onde se vê a água junto às margens com manchas castanhas provenientes de descargas. Mário Pereira referiu que a coloração se deve à presença concentrada de arsénio verificada pela limpeza dos filtros da ETA mas que, segundo a informação disponibilizada pelas Águas do Ribatejo, não é perigosa porque a água da barragem não é para consumo humano. A empresa terá de continuar a efetuar a limpeza dos filtros, de forma frequente, até que as obras de melhoramento da ETA estejam prontas pondo termo a esta limpeza. O autarca irá dar conhecimento do ocorrido à empresa Águas do Ribatejo.