Ivo Custódio é o mais recente reforço dos “Águias” de Alpiarça

Ivo Custódio é o treinador de futebol forasteiro que assumiu a liderança dos Sub15 e Sub19 do “Águias”. Em campo, este scalabitano não é um mero treinador de uma “equipazinha” distrital, mas sim um selecionador nacional a disputar o título de campeão europeu, tal é a postura aguerrida que enverga nas indicações que dá aos seus jogadores.

Quando e porque motivo iniciou o seu percurso como treinador de futebol?
Bem, eu desde muito novo que me apaixonei pelo desporto. Pratiquei vários durante a minha juventude. O futebol, como desporto coletivo que é, foi aquele pelo qual me apaixonei. A minha formação académica foi toda ela ligada ao desporto, aproveitando sempre para dar treinos aos mais novos. Licenciei-me em Ciências do Desporto, e desde então nunca mais parei de dar treinos. Na Covilhã, representei dois clubes mas foi na Associação de Futebol de Santarém que o meu trabalho ficou mais sério, até pela disponibilidade demonstrada pela parte dos clubes.

Sei que não é natural de Alpiarça. Como surgiu a oportunidade de ser treinador no CDA?
Nós, no futebol amador, alimentamo-nos de etapas e objetivos. A minha próxima etapa será agarrar um projeto de futebol sénior credível e definido. Para tal, precisarei de me aproximar o mais possível dessa realidade. O convite de vir para Alpiarça surge através de um amigo, Diogo Rato (coordenador do futebol juvenil do C.D. “Os Águias”). Feito o convite para ser o treinador dos juniores, e analisando aqueles que são os meus objetivos pessoais, decidi aceitar este convite recusando outros que, desde já, agradeço a quem me contactou.

Que escalões de futebol treina no Clube?
Após iniciar os treinos dos juniores (sub19) surgiu um contratempo no escalão de iniciados (sub15). Esse contratempo foi prontamente abordado e resolvido pela estrutura do clube. Foi então que me propuseram assumir os dois escalões de formação. Neste momento, sou treinador dos juniores (sub19) e iniciados (sub15).

Que atletas compõem estas equipas?
Ambas as equipas são constituídas maioritariamente por jovens jogadores de Alpiarça. Os juniores têm cinco jogadores não residentes em Alpiarça. Pena tenho eu que os jovens atletas que realizaram a sua formação no “Águias” tenham optado por outras experiências, porque se esse dado não se verificasse, Alpiarça estaria a competir nos melhores quadros competitivos distritais.

Qual é o seu objetivo como treinador do “Águias” de Alpiarça?
Os objetivos estão bem definidos dentro dos grupos de trabalho. O objetivo mais geral é realmente a permanência e continuidade dos jogadores no clube, mesmo que o convite de terceiros apareça. É esse o objetivo principal! Ao dia de hoje, estão inscritos 15 iniciados e 17 juniores (equipas de futebol 11). Só em saídas em rela- ção à época passada afirmamos que poderíamos ter 20 iniciados muito competitivos, 20 juvenis (escalão que não existia até à data) e 20 juniores, e todas as equipas com um grau de competitividade muito elevado. Na minha opinião pessoal, a estrutura do C.D. “Os Águias” tem ótimas condições físicas para a modalidade, disponibiliza um campo de futebol 11 e um campo de futebol 7. Objetivo principal: fidelizar os pais e jogadores ao C.D. “Os Águias” de Alpiarça, sendo que este é o maior e mais difícil objetivo a cumprir porque o trabalho nas épocas anteriores tem sido fantástico e os jogadores continuam a optar por outras instituições.

Quanto ao Campeonato Distrital da AF Santarém, acha que os juniores C têm hipóteses de destronar a Académica de Santarém ou até mesmo o União de Almeirim?
Tocou num ponto muito importante. O campeonato de Juniores C, a meu ver, não está funcional. Isto é, nem todas as equipas que estão na primeira divisão distrital estão no mesmo quadro competitivo. E certas equipas, que estão na segunda divisão distrital, encontram-se num quadro competitivo idêntico ao da primeira divisão distrital. Em suma, é completamente antipedagógico existir equipas na primeira divisão que levam, à terceira jornada do campeonato, perto Ivo Custódio é o mais recente reforço dos “Águias” de Alpiarça Ivo Custódio é o treinador de futebol forasteiro que assumiu a liderança dos Sub15 e Sub19 do “Águias”. Em campo, este scalabitano não é um mero treinador de uma “equipazinha” distrital, mas sim um selecionador nacional a disputar o título de campeão europeu, tal é a postura aguerrida que enverga nas indicações que dá aos seus jogadores. de 30 golos sofridos. Em relação a essas duas formações que perguntou, e após algumas desistências do escalão, irão ser jogos muito duros mentalmente. E, como assumido pelos pais, será necessária muita motivação extrínseca para superar essas duas formações.

Como treinador, acha que estão reunidas todas as condições no Clube para que os jogadores possam explorar todo o seu potencial futebolístico (dentro do seu escalão)?
Como dito numa resposta anterior, a estrutura do CD “Os Águias”, disponibiliza todas as condi- ções para a prática da modalidade do futebol nos melhores quadros competitivos distritais. Não falta nada, nem infraestruturas, nem materiais, nem carrinhas, nem eletricidade, nem gás, nem água, nem mesmo as sandes/bifanas e sumos no final de cada jogo. Tudo suportado pelo clube. Apenas falta apoio. Porque as caras são sempre as mesmas, os que acordam e se deitam a pensar nos “Águias” são sempre os mesmos. É preciso mais fidelização com o clube da cidade. Ter um clube que disponibiliza todas estas condições, é realmente um oásis nos tempos que correm. Parabéns ao “Águias” e a todos os seus intervenientes, incluindo os pais, pelo esforço enorme que fazem para que continue sempre tudo a correr bem!

Todos sabemos que existem jovens que praticam este desporto como um hobby, outros há que encaram o futebol como oportunidade de carreira. Tem jogadores que queiram voar mais alto?
Esse é sempre um “bichinho” que mexe com eles e até comigo. Mas faz parte da nossa função incorporar nos treinos e jogos, outros valores. O sonho existe, e é por isso que mesmo depois de tanta desilusão que acontece durante uma época, a paixão pelo futebol nos faça voltar sempre! Mas há que encarar a vida como uma subida e explicar-lhes, tanto aos mais novos como aos mais velhos, que esta é a parte da subida menos inclinada e mais brilhante de se fazer, então que aproveitem e desfrutem ao máximo. A primeira preocupação é a educação física e mental, pois é esse o segredo para nós garantirmos uma oportunidade de carreira em qualquer profissão.

Nota que há interesse dos jovens em querer ingressar na secção de Futebol do “Águias”?
É sempre muito complicado convencer os jovens jogadores de Alpiarça a praticar a modalidade em Alpiarça, eles optam por ter experiências noutros clubes, mesmo com todas as condições disponibilizadas e com os excelentes desempenhos do clube nos últimos anos. Acho muito importante referir que tudo foi feito para que os jovens se mantenham em Alpiarça a praticar a modalidade que mais gostam. Ainda não estávamos em agosto e já se trabalhava nesse sentido, mas realmente existe “algo” que os leva a fazer outras escolhas. Mas o clube não é só mágoas, também temos muitas vitórias. Um delas é termos conseguido um grupo muito forte e unido de iniciados. Aos 15 iniciados, que honrosamente representam o clube e que trabalham comigo, no final do nosso percurso iremos sentir-nos orgulhosos do nosso trajeto. E aos juniores, que o conceito de família nunca se acabe entre nós! Quanto aos mais novos (futebol 7), dá-me um gozo enorme vê-los chegar ao campo já prontinhos para treinar.

A Secção de Futebol do C.D.A. sofreu um grande revés há alguns meses com a saída abrupta de vários treinadores. Que dificuldades encontrou quando aqui chegou?
É verdade, todos eles fizeram um excelente trabalho na época anterior, mas o futebol desilude muito, e às vezes é tempo de parar. Mesmo assim, vejo esses grandes treinadores no campo a erguer o símbolo dos “Águias” ao peito, o que significa que não será um adeus, mas sim um até já. Sou sincero, não senti nenhuma dificuldade. Aqueles que trabalham em prol do clube não vou estar a enumerar, com medo de me esquecer de alguém, sempre me deram muito apoio e senti também que o apoio era dado aos jogadores. Estou a falar do coordenador que está presente, a própria presidente está presente e faz questão de conhecer e apertar a mão a todos os jogadores, o vereador está presente, e TODOS os pais que diariamente nos ajudam em todas as funções e mais algumas, são esses os verdadeiros heróis.

Em Alpiarça há pouca adesão do público aos jogos de futebol. Na sua opinião, o que é necessário fazer para trazer as gentes da terra de volta ao estádio?
Fidelização com o clube. O clube está de portas abertas para quem quiser ver a modalidade. Imagine-se se quase todos os jovens de Alpiarça praticassem a modalidade em Alpiarça! O impacto seria muito maior para a comunidade. Também se está a pensar em estratégias para melhorar esse dado, que é um dos mais importantes, agora que as equipas já estão encaminhadas.