Gatos recém-nascidos são colocados no lixo, no Frade de Baixo, de forma… “doentia”

No passado dia 28 de abril, uma moradora no Frade de Baixo deslocava-se ao contentor do lixo  para depositar os seus resíduos domésticos quando se deparou com uma cena que a deixou em choque: ao abrir a tampa ouve uns gemidos! Pensou que alguém se “tinha livrado do incómodo” mas estava longe de imaginar o que iria ver. Ao procurar no contentor não conseguia encontrar nenhum animal. Voltou a casa para pedir ajuda ao marido que finalmente deu com “4 gatos recém-nascidos, cada um enfiado em garrafas pequenas de água (o fundo foi cortado para colocar o animal)e, como se não bastasse, estavam bem comprimidos por panos para asfixiarem” – foi assim que quem esteve no local descreveu o “achado”.

“Uma cena mórbida, uma crueldade sem limites desta gente que não sabe resolver os problemas que não seja desta forma” – disse a responsável da PRAVI – Núcleo de Alpiarça / Almeirim que foi contactada para ajudar ao resgate dos animais. Um dos gatos já estava morto e os outros 3 encontram-se agora na casa de uma voluntária que os tem alimentado hora a hora e que lhes tem garantido o tratamento veterinário.

“É preciso sensibilizar a comunidade que as esterilizações e castrações são a solução para o controlo das espécies. Temos de pensar que há animais errantes mas muitos deles são resultado de abandono e das “voltinhas” dos gatos de casa que acasalam com os errantes.” – disse Maria do Céu São Pedro, responsável por este núcleo. “O governo lançou um programa para esterilizar animais errantes e de donos em carência económica.  Uma campanha em que é atribuída uma verba aos municípios para cumprir a redução e o controlo dos animais. São 500 mil euros, 15 mil para cada município, que dá para esterilizar muito animal, cães e gatos! Mas poucas foram as câmaras que se candidataram a esta verba! Inclusive já se alargou o prazo de candidaturas. Esta campanha surge na sequência da lei de 27/2016 que refere, além destes apoios, o fim de abate nos canis. De 2016 até hoje já muito se poderia ter feito, mas nada se fez! As pessoas têm de saber que podem esterilizar os seus animais. A falta de dinheiro não é desculpa. Nós temos um projeto em várias vertentes, desde o controlo da população à criação de colónias, campanhas de adoção, esterilização e de sensibilização, campanhas educativas, promoção de atividades com jovens e seniores e já estamos a trabalhar com o município de Almeirim nalgumas áreas e falta ainda a intervenção nas escolas. Não temos dinheiro próprio: vivemos de donativos, fazemos campanhas para recolha de alimentos (porque alimentamos animais de pessoas com dificuldades) e as esterilizações, tratamentos são por conta de cada uma de nós”. – disse a responsável pela PRAVI – Núcleo de Alpiarça / Almeirim.

Em 2018, este núcleo apresentou um projeto à Câmara de Alpiarça e aguarda resposta para poder avançar. “Alpiarça tem muitos animais errantes e abandonados. E também tem casos de crueldade contra animais. E isto não pode continuar.” – acrescentou.

Na reunião de câmara de 15 de março, o vereador Carlos Jorge respondeu ao vereador António Moreira, a propósito de uma questão que levantou acerca do canil municipal, que iria estabelecer um protocolo com este núcleo da PRAVI mas até ao momento, Maria do Céu São Pedro não teve nenhum contacto.