Encontro entre gerações nos Patudos preserva a memória colectiva dos alpiarcenses

No Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, instituído pelo ICOMOS Internacional (Conselho Internacional de Monumentos e Sítios) a 18 de Abril de 1982, o Museu Casa dos Patudos abriu as portas aos visitantes com visitas guiadas gratuitas e, no ano dedicado ao tema – Património Cultural: de geração em geração – , promoveu o encontro entre a “nova geração” com crianças do pré-escolar da Fundação José Relvas e o Sr. Manuel Miguel, antigo trabalhador da Casa no tempo de José Relvas que falou da sua experiência de vida naquele espaço. Histórias da História de uma casa, que um dia foi um lar de uma família portuguesa, e que simboliza também  o virar de uma página na vida política, social e cultural de Portugal. Foi esta dicotomia entre o “antigamente” e o “hoje” que as crianças puderam vivenciar através  das fotografias que o Dr. Nuno Prates, conservador da Casa Museu, apresentou e que representam cenas do quotidiano de uma família: José Relvas com o seu cão, Kaiser;  ou o carro que usava nas deslocações a Lisboa, etc.
Para Nuno Prates a comemoração deste dia é uma chamada  de atenção para o património e este ano, com esta temática, destaca-se o património imaterial, a transmissão deste património para as gerações futuras, fazendo parte de um todo que é a nossa cultura e a nossa História. Para o conservador da Casa dos Patudos, trazer o sr. Manuel Miguel, uma das poucas pessoas que assistiu um conjunto de histórias e de acontecimentos que atravessaram todo o século XX português,  vai de encontro à temática  deste comemoração: a partilha de memórias da família de José Relvas e da memória do concelho de Alpiarça.
Por opções de estratégia  geopolítica, a humanidade tem assistido à destruição de património e da sua história.  O dia que hoje se comemora lembra a necessidade de preservar não só monumentos e sítios mas a memória  de todos que deles fazem parte.