“Bruxarias” vs Civismo: morador denuncia práticas na Barragem

No início desta manhã, um alpiarcense durante a sua caminhada matinal pela Barragem dos Patudos deparou-se com vestígios que associou à prática de rituais num local de acessibilidade a todos: pratos, velas, espelhos e “embrulhinhos” e expressou ao Alpiarcense a sua indignação.

A Barragem do Patudos e parte da sua área circundante são um espaço público e, como tal, obedecem a um regulamento de utilização que visa salvaguardar o interesse de todos e a preservação do património que é de todos.

É uma questão de civismo. No século XXI, o século da tecnologia e das revoluções científicas, os paradigmas cada vez mais determinam a nossa capacidade de escolha nos destinos que traçamos. E se existe a liberdade e o direito de “acreditar”, este ato pertence ao domínio privado e individual.

E por lá ficou o “lixo”, com objetos que podem provocar o risco de incêndios, numa altura em que o país ainda não se refez dos incêndios dos últimos anos.

Não sabemos se a intenção deste ritual era o de “quebrar o enguiço” da Barragem mas os alpiarcenses acreditam que outras práticas existirão, mais amigas do ambiente, para resolver  o problema de limpeza da Barragem!