Alpiarcense deixa Comando da GNR

O Comando Territorial de Santarém assinalou no dia 26 de outubro, quinta-feira, em Coruche, o seu Dia da Unidade. A cerimónia, presidida pelo Major-General Domingos Pascoal, Comandante do Comando da Doutrina e Formação, juntou mais de uma centena de elementos da guarda e outros convidados, entre eles a maior parte dos presidentes de câmara do distrito de Santarém. Este ano, além das condecorações a militares e do desfile das forças em parada, composto por diversas valências e meios da Guarda Nacional Republicana, a cerimónia serviu também para assinalar a saída do comandante do comando territorial, Coronel Nuno Sanfona Paulino, de 55 anos, que passou à reserva.

No discurso de despedida, o oficial aproveitou para deixar um pedido ao comando nacional, solicitando mais meios para o comando de Santarém. “Sabendo-se que os recursos não são infinitos, apelo ao comando da guarda por recursos humanos e materiais que nos permitam ser ainda mais proficientes”, sublinhou Nuno Paulino.

O ainda comandante, que vai sair oficialmente do cargo no final do mês, apontou alguns números relativos aos primeiros nove meses do ano, em que se registou um aumento da criminalidade geral em cerca de 3,4%, para o qual muito contribuiu o número de ocorrências relativas a incêndios florestais. Ao contrário, o número de crimes contra património e estado diminuiu. Preocupantes são também os números relativos à sinistralidade rodoviária que, apesar do esforço de fiscalização da GNR, continuam muito elevados.

Segundo Nuno Paulino, desde o início do ano foram fiscalizados na área do comando de Santarém cerca de 56 mil condutores, tendo sido detetadas 375 infrações por excesso de álcool e 209 por falta de habilitação legal para conduzir. Ao todo, foram levantados 19 mil autos, sobretudo por infrações ao código da estrada.

Até à nomeação de um novo comandante, o Comando Territorial de Santarém ficará sob o comando interino do Tenente Coronel Paulo Jorge Alves Silvério, atual segundo comandante.