Abel Pinhão: “O atual executivo tem tomado medidas avulso e sem visão estratégica.”

Abel Pinhão é o candidato à Assembleia de Junta da Freguesia de Alpiarça pelo Partido Socialista.

O que o levou a candidatar-se?
Em dezasseis anos, como autarca na Assembleia de Freguesia, conheci momentos de grande crescimento da nossa Terra. Nos últimos oito anos, tal situação inverteu-se e o estado de paralisação e de degradação são evidentes.
Nesta candidatura do PS estamos a conceber, para a Freguesia, um papel mais ativo que conduzirá ao seu engrandecimento e atratividade para todos. Os que cá residem e todos os que no futuro a escolham como sua.

Quando foi convidado não hesitou?
Foi uma decisão que tive de ponderar, como faço em tudo na vida, não se deve aceitar um cargo sem termos bem a consciência da responsabilidade que o mesmo acarreta.
Os Alpiarcenses conhecem-me, aqui vivo e trabalho, respeitando todos, independentemente da sua opção política e pelo respeito que todos me merecem, aceitei integrar este projeto porque ele possui a ambição necessária para melhorar a nossa condição de vida.

O que precisa a freguesia?
Em primeiro lugar, necessita de um Plano de proteção a agregados carenciados. É urgente tomar medidas para resolver os problemas destes agregados e não só iniciativas dispersas que mais não fazem que adiar.
Numa freguesia onde o envelhecimento é uma realidade, a Junta terá que ter um outro tipo de acompanhamento, criando serviços de apoio aos idosos.
Os espaços verdes têm de voltar a ser bem cuidados.
Sensibilização para o não abandono de animais e sua adoção responsável.

Há coisas que faria de forma diferente da atual presidente?
O atual executivo tem tomado medidas avulso e sem visão estratégica. A falta de um Plano de proteção a agregados carenciados é o espelho disso. Numa Freguesia com tantas carências sociais este é um tema muito sensível. O que temos assistido é a iniciativas desgarradas com pretensões eleitoralistas mas, mesmo estas, sem o mínimo de qualidade. O caso da construção de sanitário no Parque da Gouxaria, numa tentativa de estar concluído para a Festa Anual, é exemplificativo. Foi mal feito, não está adequado ao local e está por acabar. Estas atitudes demonstram uma enorme falta de respeito, neste caso, pela população residente na Gouxaria.

Qual a grande “obra” deste mandato?
Nem grande nem pequena. Penso, e o que vejo com um mínimo de significado, é só continuação. Continuação da conservação do Edifício da Escola Visconde Barroso, iniciada na governação do PS com a remodelação de sanitários, substituição de soalho, pavimentação de pátio exterior e construção de refeitório para funcionários.
Compare-se com o que foi a atividade no tempo do PS : construção do parque de estacionamento no cemitério municipal, remodelação do lavadouro municipal, construção dos jardins na Gouxaria, na Urbanização Dr. Sacadura, no espaço D. Dion, qualificação do edifício da Junta de Freguesia, construção das estufas municipais, Retiro no cemitério municipal, etc, etc.

O que se propõe fazer para os próximos 4 anos?
No nosso projeto político está previsto uma descentralização de competências. É urgente reconstruir as estufas municipais e tratar dos espaços verdes. É preciso protocolar com o Agrupamento de Escolas o ajardinamento dos espaços interiores. É urgente atuar a nível do Canil municipal e do problema dos animais abandonados: Neste aspeto, vamos desenvolver uma campanha de sensibilização para adoção responsável. No entanto, e como já referi, o mais urgente é criar e desenvolver um plano de proteção a agregados carenciados.

Acredita que os Alpiarcenses vão elegê-lo?
Os Alpiarcenses conhecem-me bem, as minhas origens, o meu trabalho profissional e o trabalho que desenvolvi sempre que foi solicitado o meu envolvimento nos movimentos associativos. Foi assim no Clube Desportivo “Os Águias” de Alpiarça, no Clube de Caçadores “Os Raposeiros” de Alpiarça ou na Sociedade Filarmónica Alpiarcense “1º de Dezembro”, ou na criação da já extinta A.N.A.A.-Associação de Naturais e Amigos de Alpiarça, com o meu saudoso amigo e primo, Carlos Pinhão.

Porquê votar em si e no PS, dia 1 de outubro?
Encabeço uma lista de mulheres e homens com provas dadas. Esta é uma lista constituída por pessoas com capacidade para desenvolver trabalho, com provas dadas na sua vida profissional. Pessoas que no seu passado se habituaram a dar à causa pública e não a receber dela.

É necessária uma maioria clara?
A democracia é também a ciência dos consensos. A vitória é indispensável, para retirar Alpiarça do marasmo, mas não será a sua maior ou menor expressão que condicionará a nossa forma de estar. Nós apregoamos a democracia, mas praticamos, seja em maioria simples ou absoluta. O nosso respeito pelos adversários políticos é total.

Acredita também que Sónia Sanfona vai ganhar de novo a Câmara para o PS?
Sónia Sanfona já demonstrou as suas qualidades. Enquanto Deputada e Governadora Civil, foi grande o reconhecimento pelo trabalho que desenvolveu. É uma Alpiarcense que nunca renegou as suas origens. Aqui constituiu família e tem residência. A sua qualidade de trabalho e o conhecimento de dossiers são o garante de que, com a sua eleição, Alpiarça vai voltar a ter ambição, vai voltar a sentir progresso.